Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pensamentos.ao.vento

Assumo sem qualquer tipo de pudor o gosto imenso que tenho pela escrita, e pelo ato de escrever palavra após palavra... na construção de momentos de reflexão e procurando embelezar os nossos dias!

Pensamentos.ao.vento

Assumo sem qualquer tipo de pudor o gosto imenso que tenho pela escrita, e pelo ato de escrever palavra após palavra... na construção de momentos de reflexão e procurando embelezar os nossos dias!

28
Mai22

O gosto de tomar um bom café, é indescritível!


Ana Paula Marques

Foto artigo 10.jpg

O gosto de tomar um bom café, é indescritível! Sou absolutamente fã.

E hoje decidi aproveitar a minha companhia e tomar um delicioso café ao som dos meus pensamentos e na companhia da minha pessoa. Foi tempo de conversar comigo, de me perder nas reflexões e filosofias de vida em que gosto de me dispersar, e para as quais nem sempre tenho companhia, nem tempo.

Perdi-me nos pensamentos de toda uma vida cheia de altos e baixos, de sorrisos e de lágrimas, e parei para pensar no sabor dos bons momentos que nem sempre soube aproveitar, no calor dos abraços, tantos que recebi de verdadeiros amigos. A felicidade destes momentos enche a alma a qualquer ser humano.

E esta almofada de ar puro que nos regenera por dentro fez-me tão bem. Saboroso o meu café. Em volta a paisagem era citadina sem grande graça, mas suficientemente tranquilizadora a ponto de me deixar em paz.

A paz que sempre procuro nos momentos em que estou sozinha, e que gosto tanto de aproveitar, não para me sentir solitária, mas para conversar um pouco comigo própria, e são momentos que me fazem falta. No fundo, sentir mais a minha presença.

Muitos dias há em que passo por mim sem me ver, tal é a pressa e o ritmo a que os meus dias correm, sem tempo para respirar calmamente, porque a vida não se compadece com tal.

E hoje parei para tomar um café comigo própria, ter uns minutos em que o sabor do café que desce pela minha garganta é intenso e saboroso, não muito quente, porque não o aprecio assim, mas na temperatura média que tanto gosto me dá ao tomá-lo.

Gostei deste momento que não sendo solitário, foi intenso, avaliei os últimos dias, antecipei um pouco os que se aproximam, no fundo tirei uns minutos apenas para mim, e para o meu café.

E soube-me tão bem este breve momento, tenho que repetir. Acho que vou mesmo colocar na agenda para que possa acontecer com maior frequência, e não volte a levar tanto tempo até ter uns minutos para estar um pouco comigo, sem mais ninguém à volta.

06
Mai22

Saudade...ahh a saudade!


Ana Paula Marques

Foto artigo 9.webp

Perco-me num horizonte que não conheço, mas que sei que me espera, mais ao fundo na vida.

Receio não encontrar o que quero, mas acredito que faço diferente todos os dias, marcando pela diversidade a vida das pessoas por quem passo, e com quem convivo, no entanto, resta-me a saudade.

A saudade dos que saíram da minha vida e me deixaram um pouco de si, ou muito das suas experiências, dos seus conselhos, da sua vida, enfim!

Deixaram-me o ensinamento da sua vivência que tanto me enriqueceu.

As lágrimas que juntos chorámos, os caminhos que fizemos e voltámos a fazer uma vez e outra, e sobretudo as histórias, carinhos e momentos que passamos em pleno estado de amizade, são tantas que não as conto.

Nada a fazer, sou assim mesmo, uma perfeita sentimental, que guarda no coração tudo o que de bom a vida lhe trouxe, incluindo as pessoas que já não estão presentes, pelas mais variadas razões, mas que continuam a fazer-se sentir.

Não guardo tristezas, nem rancores, nem mágoa, no meu coração existe espaço apenas para emoções e sentimentos bons. As amarguras e energias negativas vividas, essas ficaram perdidas num tempo que nunca quis que existisse, mas que fez parte do caminho.

Mas falava de saudade, a palavra mais portuguesa de todas, aquela que me traz um sorriso à boca e um morno e terno aconchego ao coração, ahhh a saudade… seria capaz de viver o resto dos meus dias abrigada no conforto dos momentos, e na saudade do meu tempo já passado.

Mas não posso… não me é permitido, afinal há ainda uma vida para viver, há que construir novos momentos e viver novas histórias que permitirão mais tarde ter mais um conjunto de boas memórias das quais virei também a seu tempo, a ter saudades. E voltarei a viver de novo esses momentos, porque quem constrói boas memórias tem a oportunidade de viver duas vezes o mesmo momento, o vivido e o que se recorda. Assim dizem os entendidos.

A vida de facto é muito interessante e recebemos sempre o que vamos semeando, nem sempre na proporção nem no momento que consideramos ser o adequando, mas quando o universo decide, afinal, tudo o que há-de ser nosso, à nossa mão vem ter.

E por isso na linha do horizonte que agora vislumbro, apenas um desejo e um pensamento, que a vida nos permita a plenitude das realizações a que estamos dispostos.

Ser afinal alguém que deixa a sua marca, ainda que indelével, no coração, daqueles com quem se cruza ao longo da passagem pela vida.

Prefiro aqui lembrar os que me amaram e que amei, terão sido os que verdadeiramente me conheceram?

Não faço ideia. Foram com certeza os que melhor me compreenderam e se deixaram ver e me viram através dos olhos da Alma!

Sejamos felizes enquanto por cá andamos, afinal tudo isto é uma passagem!

Mais sobre mim

Pesquisar